Vivemos todos uma revolução tirana.

Ao passo que minhas memórias aqui ficam.
Não vivi na vida que eu lembro.
Perdidos em ilusões e alienações.
Todos nós sofremos fome.
Ao dia em que esperei melhoras.
Vivi sem segurança.
Ao líder que confiei nossas vitórias.
Nos mostrou somente sua tirania e sua glória.
Aqui deixo meu receio.
Ao menos eu tinha onde dormir.
Crianças com mães sem leitos.
Perdidos em dias melhores porvir.
Olhem homens.
Leiam as escritas.
Mas não podemos.
Somos todos ignorantes.
Vendeu seu próprio amigo.
O que esperar eu deveria?
Não só o frio me assola.
O melhor dos melhores virou porco.
A chicotes e risadas.
Bandeiras e canções.
Somos todos uns coitados.
Todos esperando a liberdade.
Do país-mãe.