Coração suicida.

Você me perguntou se eu havia a perdoado.
Acho que perdoei, não tenho a mesma noção de tempo que você. Não sei quando me perguntou isso.
Ás vezes te perdoo, ás vezes. Não sei quão dilacerante foi a ferida que você provocou. Não mentiu, não traiu, não fez coisas assim, foi mais…
Lembro-me que mês passado eu havia te perdoado. Peguei o telefone para te ligar, quando a pessoa atendeu, pensei que fosse você, mas era a voz de uma criança. Juro que não quis acreditar.
Esse foi um dos meus relatos, acredito que coração partido seja mais que somente amor, acredito que seja mais que apenas compreensão.
Não estou ferido por ter levado em frente sua vida.
A culpa é minha por ter esperado, sou, ás vezes devo dizer, um pouco piegas.
Hoje eu te perdoo, mas acredito que o perdão seja além da compreensão. Não há o que perdoar. Mesmo que eu te amei mais que a mim próprio. Mesmo que você tenha me enganado, mesmo que você tenha me feito acreditar nas suas palavras perversas e cruéis, mesmo que eu tenha chorado durante mais tempo que admito para as pessoas. Mesmo que onde eu olhava eu via o teu sorriso doce. Mesmo que eu tenha lhe dito tudo que vinha ao meu coração. Mesmo que me dói até hoje quando me vem as lembranças.
Mesmo que tudo que faço eu fico com vontade de te contar. Mesmo que eu te odeie, mesmo que eu te ame.
Eu me perdoo por ter sido idiota. A culpa não foi sua por eu ter acreditado, ter forçado.
Me disseram que você está casada com um homem calado e alto, do jeito que gostava. Fazem academia juntos. Quantas crianças? Três, isso. Era para ser eu.
Novamente remoendo o se, eu nos perdoo por termos sido jovens, eu continuo a amando, não percebo que ao meu lado tem alguém que me ama, no final eu sou egoísta e ás vezes autodestrutivo, devo a amar também.
Ás vezes me perdoo pelo meu temperamento, mas hoje é a última vez que te perdoo, hoje eu vou te ligar uma última vez e escutar sua voz doce, hoje será o dia que te esquecerei.
E amanhã, prometo a mim mesmo não irei mais ter que me perdoar, porque com o adeus que.lhe darei será perdão mútuo.
Hoje ou amanhã, tanto faz, não sei se sou corajoso.
Esse é o meu relato do meu coração fraco com tendências suicidas.