O amor, deve ser real?

Será que eu não sou amada?

Será que sou uma pessoa que siga o amor de todo mundo,

E nunca é o suficiente?

Será que o amor do mundo é a abstrato, chato, residual, inexistente ou é tudo?

Será que sou assim, tão volátil?

O que é o amor, o maior amor do mundo?

Será que meu coração é um buraco e não há espaço para armazenagem?

Existe amor entre nós, entre eles, entre vocês?

O que o amor é se não invenção do próprio homem?

Será que fui corrompida pela vida?

No momento é como caixa oca que transforma meus lábios em Arcos e fecha meus olhos para o escuro, sozinha e sem nada.

Anúncios

Nem tudo está perdido quando se tem um buraco negro no peito.

– Você não tem falado muito.

– É, eu sei.

– Você quer falar agora?

– Acho que não…

– Sei lá, você anda tão calada, o que há?

– Você já sentiu uma sensação no seu peito, uma sensação que aperta e desce para o estômago e revira teu intestino?

Ela olhava através da janela, o céu cinzento mostrando sinais do entardecer e os sons noturnos preenchendo a noite.

Ele ficou calado, olhando, não havia o que dizer, aquelas sensações ele nunca havia sentido, mas não queria quebrar aquela linha de telados.

– Às vezes, é tão forte que eu vômito ou defeco horas afim.

Ela continuou olhando, mexia os dedos, colocava na boca, mexia as pernas, balançava os pés.

– E é tão forte, mas tão forte que eu choro querendo que tudo vá embora.

É como se meu peito fosse uma fossa.

E sabe o que acontece quando há um vazio? Quando há o nada? Tudo pode preencher esse espaço, ele engole estrelas como um buraco negro, ele destrói tudo o que suga, é sem fim. E nesses momentos eu me sinto letárgica, para não ficar com o nada dentro de mim, porque quando há o nada eu pisco e nos meus olhos correm sangue, eu vejo os cortes nos braços, nas pernas, no pescoço. Eu vejo o sangue correndo livre através da pele, através das roupas.

Ele a olhava assombrado, mas apenas olhava, não deixaria nada transparecer os pensamentos sombrios que lhe preenchia a mente.

– Nesses momentos eu sinto um cântico profundo, um cântico secreto que me chama e diz que tudo pode acabar, que tudo isso pode ser transformado em nada e eu nunca mais vou sentir nada, apenas nada.

As lágrimas quentes desciam soltas atravéz da pele, corriam soltas pela blusa, deixando o nariz ranhento, deixando um espasmo no peito.

Ela começou a vibrar o peito, nesses lapsos que vem através do choro, e depois o corpo treme e há um som rasgado na garganta como se as cordas vocais estivessem sendo puxadas e apertadas.

– Está tudo bem, está tudo bem.

Ele a abraçou, estava tão assombrado.

– Você precisa de ajuda, você precisa de ajuda médica.

– Não existe mais ajuda para essa doença, porque não existe mais essa doença.

– Existe, eu estou vendo na minha frente.

– Mas não existe mais tratamento, o tratamento que existe me fará um ser débil, não quero isso.

– Eu vou te ajudar.

– Não acho que alguém possa me ajudar.

– Você esta letárgica agora?

– Não, agora eu estou vazia.

– O que você faz quando fica vazia?

– Eu durmo.

– Funciona?

– Momentaneamente.

Ela estava encolhida num canto do sofá, incapaz de olhar nos olhos dele, e ele a olhava com dor, sem saber o que fazer. Se sentia impotente, amarrado, não sabia o que fazer.

– Durma então, eu vou te ajudar, enquanto você dorme eu vou procurar ajuda.

– Será você capaz?

– Não sei, mas até que eu consiga achar não te deixarei sozinha.

Ela o olhou, limpou os olhos e sorriu, algo pequeno e sem brilho.

– Você tem medo de que eu sucumba ao cântico?

– Tenho medo de que você sucumba ao sangue.

– E não é a mesma coisa?

Ele sorriu, afagou os cabelos dela

– Apenas semântica. Agora durma, eu vou estar aqui quando você acordar.

– Talvez eu queria ficar sozinha.

– Você sabe como acaba com um buraco negro?

– Não

Agora a voz era apenas um sussurro

– Dando tempo a eles e então BUM! Eles somem

Ela sorriu enquanto o sono a levava embora num embalo suave, e foi nesse momento, o momento da certeza que ela já não estava ali que ele chorou.