Quando gritou o trovão veio, jogou tudo o que tinha em cima de mim. Corri para longe e me escondi. Era tarde demais, molhei. Apenas os olhos e o rosto. 

Deitei na cama, no escuro. Como um defunto eu coloquei as mãos no meu peito. Fechei os olhos, relaxei. 

Apesar de tudo estava vivo, e pra isso me mantive quieto, sem dar um suspiro. 

Foi assim que comecei, mandei meu coração se aquietar, parar de bater, me levar. 

Respirei. 

Bem devagar. 

Quase parei. 

Parar de respirar não se consegue, o corpo foi programado para viver, minha mente para morrer. 

Foi assim que comecei. 

Um. 

Dois. 

Respirei bem devagar. 

Inspirei tudo o que tinha. 

Estou quase lá. 

Fechei os olhos. 

Estou quase lá. 

Só mais um pouquinho. 

Dessa vez eu vou morrer. 

Sim, estou conseguindo. 

Respirei. Inspirei  Respirei. 

Dormi.

Anúncios

5 pensamentos sobre “Quando gritou o trovão veio, jogou tudo o que tinha em cima de mim. Corri para longe e me escondi. Era tarde demais, molhei. Apenas os olhos e o rosto. 

Comente.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s